Começou o relacionamento pelo WhatsApp

Andréa era uma pessoa antenada e vivia o dia todo conectada aos amigos através do celular. Passava horas nas redes sociais e muito tempo conversando no WhatsApp. Quem a conhecia pessoalmente poderia ter a impressão de ser isolada, metida ou até mesmo por solitária. Afinal, na visão das pessoas ao seu redor, passava mais tempo no seu celular do que interagindo com “o mundo real”.

Dia desses Andréa num raro momento em que falava utilizando a função tradicional de seu aparelho telefônico, usando a voz, aguardava para ser atendida em uma loja de conveniências e conversava com uma amiga. Explicava: “Sim, troquei meu número, precisei renovar e agora pra atualizar todo mundo de novo vai levar algum tempo. Anota aí o novo…96.. 13…” e assim ditou seu novo número.

Horas depois, foi surpreendida com um contato a chamando no WhatsApp, de um número desconhecido.

“Olá”

“Não to reconhecendo o numero. quem é?”

“vc realmente nao me conhece”

“como vc tem meu numero?”

“desculpe a ousadia, eu ouvi vc falando seu numero para alguem no telefone te achei muito bonita e quis adicionar…fiz mal?”

“olha, nao costumo dar papo pra quem eu naum conheço, principalmente se eh alguem enxerido”

“eu esperava que vc pensasse assim, eu tb nao sou de fazer isso, soh fiz pq realmente achei que essa seria a unica chance de poder entrar em contato com vc, nao te achei bonita apenas… me desculpe o inconveniente”

“hm”

Andréa pensou em bloquear imediatamente aquele babaca. Que absurdo isso. Poderia ser qualquer pessoa, inclusive alguém com más intenções. Alguns minutos passaram, ele não disse mais nada e ela acabou esquecendo, quando surgiu outra mensagem horas depois:

“…olha, eu sei que comecei mal e não foi legal o que eu fiz, se vc achar melhor pode me bloquear, é que desde que te vi, eu não consegui parar de pensar em vc. eu te achei simpática e pela voz e o jeito de falar, reparei que vc tem algo de especial”

“nao tenho nada de especial amigo”

“de onde eu te via, o jeito que vc falava e mexia o cabelo me chamava atenção, nao gosto de fazer isso mas comecei a reparar em vc e senti algo diferente, não é papo furado”

“diferente?”

“nao sei, perdi o folego, senti como se ja tivesse visto vc outras vezes e precisasse te abraçar”

“mas vc nem me conhece…EU não te conheço”

“por isso achei estranho e tomei coragem de fazer isso, eu também não gosto de ter que fazer isso, mas tive a sensação de ser uma chance em um milhao”

“vc devia usar o tinder pra isso”

“rs, vc tem razão, mas eu ñ estava procurando namorada, eu terminei um relacionamento de tres anos no mes passado, só tava querendo curtir, até hoje”

“ótimo argumento para me fazer te bloquear, colega”

“kkk não! espera, me expressei mal. Só quis dizer que até te ver eu ñ me interessava por ninguém de verdade. eu ñ sei o que deu em mim”

“obrigada?”

“bom, não quero mais atrapalhar vc. vou te deixar em paz, dsclp pelo incomodo”

Andréa pensou por um instante e o que teria a perder se trocasse meia dúzia de palavras com aquele estranho? Ela sabia que era perigoso dar papo pra alguém que nunca tinha visto e tinha sido tão invasivo, mas resolveu só ver até onde isso ia.

“como vc chama e de onde vc é?”

“Meu nome é Sergio, sou da zona norte e vc?”

“meu nome é Andrea, moro proximo ao centro”

Neste dia, Andrea e Sergio se falaram até o último % da bateria do celular dela e se falaram novamente no outro dia, no outro dia e no outro…

Hoje já fazem mais de seis meses que se falam diariamente via WhatsApp e se veem praticamente todos os dias. Andréa nunca se cansa de contar como a ousadia de seu namorado foi perfeita e como o destino contribuiu para o casal.

Anúncios

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.