Como uma bronha e um jogo do São Paulo levaram este menino para a UTI

Este simpático rapaz que você vê na foto é o Fê Campos, de São Paulo. E como todo bom cidadão consciente, está trajando uma bela máscara nesse momento tão crítico de pandemia. Mas a história dele que vamos contar aqui não é sobre isso.

View this post on Instagram

Fica em casa (tô indo no mercado hehe)

A post shared by feCampos (@fecampos77) on

Essa é a história de como uma singela masturbação quase levou o Fê a óbito.

Ele contou em seu Twitter, de uma maneira muito engraçada, como isso aconteceu.

Em maio de 2018, ele fez uma pequena cirurgia para corrigir um desvio de septo, que corrige um pequeno problema de quando a estrutura que separa as duas narinas não é reta. O problema só requer atenção quando interfere na função de respirar. Em geral, são cirurgias bem simples e que a recuperação costuma ser sempre bem rápida. Geralmente você sai no mesmo dia e fica em casa tomando alguns cuidados.

Foi o que aconteceu com o Fê, fez a cirurgia, deu tudo super certo e ele foi liberado.

Imagem

Ele conta que estava em casa, tudo tranquilo, apesar do nariz dele “parecer estar menstruado” de tanto sangrar, o que também é bastante comum para quem está se recuperando da cirurgia, segundo o Fê contou em seu relato. De acordo com esse médico aqui, a recuperação demora cerca de 30 dias e o paciente é liberado para algumas atividades aos poucos, após sete dias, pode retornar as atividades laborais e/ou estudos e 30 para retornar a prática de exercícios.

Fora o sangramento constante, tudo ia bem na vida do Fê, afinal de contas, ele podia tomar sorvete tranquilo, era até parte da recomendação médica.

Imagem

Mas, como o ser humano é inquieto, especialmente quando precisa guardar repouso, a história começa a ficar complicada. O Fê Campos conta que o médico avisou que atividade sexual estava proibida (afinal de contas, é um tipo de atividade física, né? 30 dias sem, lembra?), mas ele tava meio, como vamos dizer… meio ANIMADO com a abstinência e tava felizão porque o São Paulo (time que ele torce) tinha vencido um jogo – ao que tudo indica o jogo em questão foi a vitória por 3 a 1 contra o América Mineiro, partida válida pelo Campeonato Brasileiro, partida que ficou marcada pela comemoração dos jogadores que resolveram homenagear o Reinaldo e comemoraram igual a ele.

A brilhante ideia dele foi “hum, são 4 da manhã, por que não fazer um agrado pro meu próprio corpo? acho que não tem problema nenhum”. Bom, teve.

Vitória, G4, Invencibilidade e cola nos líderes! São Paulo 3 x 1 ...

Segundo ele, na hora do VAMO VER a pressão arterial dele subiu muito e acabou fazendo com que a artéria do nariz dele explodisse. E bom, imagina a situação? Um rio de sangue jorrando do nariz dele enquanto outra coisa tinha jorrado em outra parte do corpo.

Aí começou o dilema do Fê: como acordar o pai para explicar aquela situação bem complicada?

Ele limpou tudo que conseguiu e finalmente chamou o pai dele que o levou para o hospital.

O problema é que nessa confusão toda, ele acabou perdendo muito sangue e apagou. A pressão dele caiu para 6 por 3 ( Com a pressão arterial muito baixa, o cérebro, o coração e outros órgãos vitais podem não receber sangue suficiente. Para uma pessoa ser diagnosticada com a pressão arterial baixa, sua pressão arterial deve ser inferior a 9 por 6) e seus batimentos cardíacos foram para 14. Ou seja… que perigo!

A próxima coisa de que ele se lembra é de acordar na UTI, porque (nas palavras dele) “eu RESOLVI SACUDIR O BERIMBAU”. Fora a situação de quase passamento dessa para a melhor, ainda tinha a vergonha de explicar para os médicos como aquilo tinha acontecido. O Fê teve que fazer uma cirurgia para cauterizar a artéria danificada e felizmente deu tudo certo.

Esse aí é ele depois da cirurgia de emergência, já no quarto, bem suavão.

Imagem

O relato completo dele (com imagens fortes) está neste post:

Anúncios

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.